quinta-feira, 23 de julho de 2015

A Auxiliar de Enfermagem e o Paciente Racista


A Auxiliar de enfermagem - em um hospital particular - gostava muito do que fazia, por isto tinha extrema dedicação e carinho pelos pacientes. Não ganhava tão bem, apesar do hospital  assistir à classe média.
Ela era mulher negra, parecia exuberante em seu uniforme branco impecável. Nunca havia se preocupado com o termo racismo, achava que se fosse educada, gentil e cumprisse à risca suas obrigações, não teria com que se preocupar.  Geralmente, o comportamento dos pacientes em relação à sua pessoa variava de agradável a indiferente; mas nunca grosseiro.
Certo dia porém, a situação mudou:
Deu entrada um paciente, que havia sofrido derrame há alguns anos. Estava precisando de controle mais rigoroso da pressão arterial.  Tinha algumas sequelas: um lado do corpo semi-paralisado, andava com ajuda de alguém ou do aparelho andador. Apesar disso, era lúcido e conversava normalmente.
Como de costume, ao primeiro contato, a funcionária cumprimentou-o, chamando pelo nome. Se apresentou e especificou brevemente o que iria fazer. 
Surpresa e incrédula, ouviu a seguinte resposta: Sua macaca, faça sua obrigação e não fale comigo, nega fedida!” Por segundos, em estado de choque, ela ficou paralisada. Pois, até então, nunca havia sofrido insulto racista de maneira tão aberta e contundente. Sem ação, saiu do quarto para se recompor e refletir um pouco, sobre a situação.  Não sabendo o que fazer no momento, chamou uma colega, pediu-lhe para atendê-lo. Não se sentindo à vontade para dizer-lhe o porquê. Apenas disse que precisava se ausentar-se por  um instante e logo voltaria. A colega que era branca, não estranhou o pedido, pensando se tratar de necessidade fisiológica urgente.

Passado o choque, ela decidiu: terminar seu turno normalmente, concentrando-se no trabalho. Refletiria mais detidamente sobre o ocorrido em casa. Onde poderia também trocar algumas ideias com o marido sobre o assunto. Seu esposo tinha temperamento calmo e opiniões bem ponderadas. O que, muitas vezes, a ajudara a ver situações por ângulos diferentes.

Chegou à tarde em casa,  dali uma hora e meia, o marido também. Ela achou melhor fazer o possível para não demonstrar contrariedade até que ele tomasse banho, jantasse e descansasse um pouco. Então, quando concluiu ser o momento de se tocar no assunto, já passava das 21 horas.
Começou a narrar, toda a estresse veio à tona em forma de lágrimas abundantes. O marido ouviu tudo em silêncio. Fez algumas perguntas sobre: o estado do paciente, se estavam apenas os dois, etc. Depois deu a seguinte sugestão: Esse homem está com limitações físicas. Ele depende de você e de outros funcionários para algumas necessidades básicas. Provavelmente, esteja apenas; descarregando sua frustração e seu orgulho ferido sobre você.  Talvez, tenha sempre desprezado negros e agora se sentiu humilhado ao ser assistido por alguém negro, quando fragilizado pela doença.
Eu faria o seguinte: tratá-lo-ia normalmente, como qualquer outra pessoa. Um dia pode ser que ele se canse e sinta-se envergonhado, ou pode ser que não mude! Mas, e daí? Lembre-se: Você é responsável por suas atitudes e não pelas de outra pessoa.
Ela se sentiu reconfortada e decidiu dormir tranquilamente, achando que talvez, tivesse levado a situação a sério demais.
Nos dias seguintes, o paciente a humilhava, destrava. Às vezes, até tentava alcançá-la com  tapas e cuspidas, etc.
Um dia, seu filho ao visitá-lo, assistiu a uma das cenas  de desacato à funcionária, ficando visivelmente constrangido. Pediu desculpas e atribuiu o comportamento do pai à doença.
Ela argumentou da seguinte maneira: Mesmo que a doença tenha alguma relação com o seu nervosismo e descontrole. Não é justificativa para a maneira preconceituosa com que me trata. Tanto é que ele não age da mesma maneira quando é assistido por indivíduo branco. Na verdade, ele está externando a atitude que foi guardada por anos dentro de si.
Mas, não se preocupe: seu pai será tratado com respeito e dignidade, independentemente do seu comportamento. O homem, muito envergonhado, agradeceu e saiu.
Aquele senhor recebeu alta hospitalar, foi para casa, voltou, tornou a ter alta, tornou a voltar. Até que um dia, sofreu um novo derrame e faleceu.
A maior lição que a auxiliar de enfermagem tirou da situação foi que: Ela seria sempre responsável pelos seus próprios atos independentemente dos atos de outros. Se ela pagasse ódio com ódio, seguir-se-ia uma lógica perversa e interminável!

Nenhum comentário:

Postar um comentário