sábado, 31 de agosto de 2013

Como nasce um neguinho



Nasceu um filho, muito esperado, é amado e cuidado!
Os pais escolheram o nome:
Luís, nome do avô, recordações, referências, muitas!
A mãe acrescentaria Augusto, o pai Gustavo, só por sonoridade.
Augusto ganhou!
Um bebê querido; para o pai, a cara do avô paterno.
Para a mãe, uma lembrança complexa, uma mistura de amores:
Primos, avô materno, um tio  que já não está entre nós...
A avó o chama de Principezinho!
Chega, guarda as sacolas, põe a casa em polvorosa:
Cadê o meu principezinho?”
Ele é doce, queridinho!  
Alegria do titio, da titia, do priminho!
Faz brincadeirinhas de bebê, é muito engraçadinho!
Fica de pé, aprende a andar, a explorar, quer conhecer...
Como todo bebezinho!
Num descuido dos adultos, abre a porta sai à rua;
Olha o mundo ao redor: ali, nasce o neguinho!

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Por que o Assunto Racismo causa Constrangimento a Brancos

(continuação)
B) Da Parte do Branco

Quando este equilíbrio social (negro no seu lugar, mulato no seu lugar, branco no seu lugar) ameaça a romper-se; gera insegurança a todos, mas, principalmente, à parte favorecida pelo que está estabelecido.

Situação Modelo
O patrão diz ter sempre “brincado” alegremente com os “negrinhos” de sua empresa. O pai brincava, o avô brincava. (E agora, surgiram leis pretendendo estabelecer  limites às ‘brincadeiras inocentes’.


Como fica?  Gera  insegurança?
 Patrão - “Mas como vou chegar pela manhã à empresa; sem fazer uma ‘brincadeirinha inocente’ com aquele neguinho carregador ou faxineiro? Só para quebrar o gelo! Eu não sou bom para ele? Tenho lhe dado um emprego. Trato ele muito bem!”

Exemplos de constrangimentos ou desconfortos causados por algum negro não se encontrar na situação esperada:

1.   Uma senhora negra, em um salão de beleza, foi acusada de complexada por sua cor, apenas por ter mencionado  querer um esmalte que combinasse com seu tom de pele. (Desejar algo que combinasse com sua cor causou incômodo. Geralmente, a tendência é - imediatamente- jogar a culpa para a pessoa negra: Você tem complexo por sua cor. É uma maneira de tentar silenciá-la.)

2.   Um casal negro passava (de carro) por uma famosa avenida, numa importante cidade do interior. No mesmo momento, um grupo de calouros de certa Universidade Pública pedia dinheiro aos motoristas; como parte do trote que os veteranos lhes aplicavam. Alguns calouros quando, de repente, se viram pedindo dinheiro a negros, começaram a insultá-los, chamando-os de macacos, etc. (Obs.: Dentre os calouros não tinha nenhum negro ou nem mesmo com aparência de miscigenação. Neste caso pode-se concluir que não havia expectativa do surgimento de negros naquele ambiente, pelo menos por  parte de alguns, o que lhes causou choque).

3.   Uma senhora negra, ao passar pelas ruas em seu carro popular, provocava curiosidade, por não ser uma cena comum. Com o tempo percebeu, com surpresa, que alguns gritavam insultos. Coisas do tipo: “Olha uma macaca dirigindo.” “Não sabia que faxina dava tanto dinheiro!” “Ô, negona!” 

A T E N Ç Ã O

Há nobres exceções de pessoas que respeitam a qualquer um e as tratam com dignidade.

Às vezes, a pessoa em posição humilhante não é negra. Discriminação pode ser por: regionalismo, nacionalidade, deficiência, classe social, idade, etc. Mas, a cor sempre será um agravante significativo!

O importante é partir do princípio de que todas as PESSOAS devem ser respeitadas. (Há algumas poucas pessoas de caráter tão nobre que tratam com a mesma delicadeza e respeito a qualquer um, seja quem for). São pessoas belas, verdadeiramente belas!

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

O Que é Fazer Serviço de Negro!


Negro servil!

Serviu o negro.

A negra servil:

Amamentou o seu, o dela.

Serviu, amou;

Amou o dela, o seu; serviço de negra!
Serviço de negro: construiu, servil!

O serviço de negro serviu

Serve agora, livre constrói

O dele, o seu, o nosso Brasil!

O negro não é ser vil!

quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Por que o Assunto Racismo Causa Constrangimento a Negros e Brancos?


Muitas vezes, ao ventilar-se o assunto racismo, é comum algumas pessoas  ficarem incomodadas, constrangidas.
  Há um frágil “equilíbrio social”, secular sustentado pelo racismo.
ANALOGIA
Compara-se ao uso de determinada rede com furos para reter  vazamento de certo líquido. Ela é precária e ineficaz. Mas, suponhamos seja a única maneira de contenção conhecida, até àquele momento, pela comunidade. Então, os usuários tendem a ter medo de perdê-la e se sentem inseguros na iminência de sua falta; devido à falsa sensação de que a rede seja o melhor método de contenção.
 
Há insegurança, por razões inversas,  da parte do negro e da parte do branco.
 
A) Da parte do negro:
O racismo no Brasil (mesmo negado) tem dado posições claras e específicas ao indivíduo na sociedade: Papeis, funções, comportamentos, atitudes, respostas, etc. Tudo tem sido muito bem estabelecido por séculos. Muitas vezes o comportamento do indivíduo, ao se encaixar no seu “espaço” é intuitivo e inconsciente. Principalmente, dentre os da parte menos favorecida, há os que nunca pensaram sobre o assunto, nem têm consciência da situação, Dizem: "Nunca fui discriminado". É impossível ser negro no Brasil e nunca ter sido discriminado! ( O que poderia ter sido dito é: "Não tenho consciência da discriminação. Ou,  este tema é tabu, não devo me posicionar sobre ele.  Ainda:  "Este assunto me constrange."
 
Exemplo: O negro que na empresa onde trabalha, sorri timidamente ao ouvir gracejos e zombarias em relação à sua cor ou traços físicos. Às vezes, vindas de colegas ou superiores. E há o negro que até participa da zombaria de si próprio para parecer  "legal" ou simpático.
O que aconteceria caso o negro batesse o pé e não aceitasse a situação humilhante?
Estaria ele em posição que lhe permitisse reagir sem sofrer consequências negativas ?
Ou subentende-se uma certa  submissão e mansidão da parte do negro?
Ás vezes, negros sentem-se inseguros com a possibilidade de mudanças, temendo que sejam para pior.  E realmente serão se não forem efetuadas através do conhecimento. Conhecimento no seu mais amplo sentido!
Qualquer negro, não importa sua classe social, se começar a perceber o racismo, não será visto com bons olhos. Será posto de escanteio. O problema será visto como sendo falhas de do seu caráter como:
Complexo de inferioridade, dificuldade de relacionamento, temperamento difícil, etc.

(Por isso, a tendência -em geral fora as exceções- é: fazer “vistas grossas”; levar a situação como brincadeira, coisa comum da vida, de nenhuma importância, etc.).
B) Da parte do branco:
 
Quando o equilíbrio social (negro no seu lugar, mulato no seu lugar, branco no seu lugar) ameaça a ser rompido; gera insegurança a todos. Mas, principalmente à parte favorecida pelo que está estabelecido.
                                 (Este tema continuará na próxima publicação!)

terça-feira, 20 de agosto de 2013

"Ele é branco de alma preta"


Como pode ser preta a alma
Sem constar da fisiologia?
E se preta fosse, ainda assim,
Teria muita valia!
Petróleo é preto e amado,
Protegido e cuidado
Por ser de grande serventia
Ser ou não sê-lo o que importa?
Desculpe-me pela cacofonia
Que com sua antifonia, nos induza a  refletir
 Se vale a pena apegar-se a alguma  coisa
Que não tenha serventia!

 

domingo, 18 de agosto de 2013

“O que essa neguinha pensa que é?”


Eu?

Penso que sou das tais!

Com grandes potenciais

Que são minha vida e a sua

Ligadas por canais vitais!

Alguns éticos

Outros genéticos

Penso que sou importante

Como também você o é!

Sou um ser humano perfeito

Estamos no mesmo pé!

terça-feira, 13 de agosto de 2013

Alguns Negros Buscam Deliberadamente Clareamento de Suas Próximas Gerações


Tendo sido expostos desde criança a modelos de ideal de beleza nos quais o negro não se encaixa! Ele pode acabar sentindo-se mais atraído por pessoas brancas. É fácil ver que estes modelos deturpados de beleza não são apresentados às pessoas esporadicamente. Mas sim, indivíduos são bombardeados por tais modelos da seguinte maneira:  Em quase qualquer lugar. Durante todos os dias, todas as semanas, todos os meses, todos os anos. Na infância, na adolescência, juventude e idade adulta. Será que alguém tenha dúvida de que a constância seja um instrumento de convencimento MUITO PODEROSO? É como uma lavagem cerebral.
Claro que tal situação traz consequências como:
·        Há  alguns jovens negros para os quais mulheres negras são muito bem vindas como: mamãe, titia, vovó, irmã, prima. Mas, jamais, como possibilidade romântica!
·        Uma pessoa negra disse ficar constrangida ao perceber que alguém (negro) esteja lhe “paquerando”.
·        Certa senhora negra contara abertamente aos seus parentes que escolheu “a dedo” o pai de seus filhos para que eles não “nascessem negrinhos”! Esses filhos que hoje são adultos se afastaram totalmente do restante da família. (Podem-se imaginar todas as circunstâncias que levaram esta mulher a ter tal atitude: Humilhação, discriminação, pouca escolaridade, subemprego, morar nas piores áreas da cidade, etc. Sob seu ponto de vista, a decisão foi um ato de misericórdia).
É complicado, não é? Mas real!”        
Observação:
Não significa serem negativos relacionamentos entre negros e brancos. A raça humana é biologicamente uma única raça. Relacionamentos podem ser saudáveis e belos, independentemente de cor. Mas, é possível que a cultura racista, na qual o negro não se encaixa nos padrões de beleza, e outras desvantagens a ele impostas; possam afetar a visão de si mesmo e suas escolhas de relacionamentos. Porém, não se pode jamais, atribuir de maneira particular tais fatores à escolha de alguém, por se tratar de algo de foro íntimo e sujeito a muitas outras circunstâncias. Por outro lado, não é construtivo, por melindres, deixar de refletir sobre este aspecto influenciador nas escolhas, principalmente por ser injusto e falso. Cada indivíduo tem direito à suas próprias escolhas e não necessita de “influências”, desde o seu nascimento, para estabelecer seus padrões! Principalmente quando tais influências desvalorizam a si próprio.
Conclusão:
Como quase tudo que envolve “a discriminação” do negro no Brasil, este ponto também é extremamente “subjetivo” e impossível de ser “apontado” algum caso em particular.  Mas pode-se observar de maneira geral: Quantos negros brasileiros, ricos e famosos, são casados com pessoas que sejam também negras?

sábado, 10 de agosto de 2013

Parabéns ao Papai Negro!


Do amor este é o segredo:

Seus filhos são legados

Devem ser valorizados

Da sorte não, à mercê

Precisam ver em você

Seu valor em esplendor

O exemplo onde for

Mostrando à criançada

Que o negro tem vida honrada!

                                                                                           Parabéns a todos os pais!

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Não Sou Racista, mas Não Gostaria que Meu Filho se Casasse com Negra


1.   Alguém que trabalha na Inserção Social de Minorias Raciais fez  - ao pé do ouvido - para um colega negro- esta declaração. O que é um contrassenso.
 

2.   Outra pessoa dizia que discriminação era inadmissível! Todas as pessoas são iguais. E coisas do tipo.  Mas, ao saber que um rapaz negro, seu amigo, respeitado por todos devido ao caráter; estava interessado em namorar com sua filha. Disse sem rodeios que: não aceitaria, em hipótese nenhuma, o relacionamento. E, neste caso raro, foi honesto, deixou claro ser a recusa somente devido à cor do rapaz.
Por que esse tipo de situação?

Algumas Sugestões:
         1º. Preconceito mesmo que não admitido

         2º. Aceitação  do negro limitada ou com reservas

(É difícil desmembrar totalmente este segundo ponto do primeiro. Porém, deixaremos para o primeiro ponto aqueles casos em que pessoas brancas se posicionam abertamente como "superioras" às negras. E por isso não desejam se misturar.)
Aqui, no segundo ponto, vamos tratar de situações mais sutis e complexas:
Como casos em que “brancos” têm empatia pelos negros, defendem suas causas, mas, só até ao ponto em que não haja a possibilidade de um negro entrar em sua família. 

 
 Por que essa barreira?
 Algumas sugestões simples baseadas no que se vê no dia-a-dia:   

1.   Tendo em conta, todas as desvantagens e restrições a que o negro é submetido; pode ser que a pessoa branca, nesse caso, não esteja disposta a ver um de seus descendentes exposto a tal situação. Ele sabe que para cada conquista, o negro terá que lutar bem mais que o branco. Que não importa o que ele faça ou em que posição esteja: Será sempre apontado por ser negro, antes de qualquer outra coisa.
 
 


2.   Também, há a possibilidade de: mesmo tendo alguma empatia pelo negro, defendendo sua causa, ainda assim, tenha para si padrões de beleza, “boa aparência”, etc. contaminados pelos modelos impostos pelo racismo latente na sociedade. Isso não deve causar grande surpresa porque até mesmo o negro está sujeito a “tal contaminação de percepção”.  
(Este tema continuará na próxima publicação).

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Está Estabelecido!


Cada um tem seu lugar:
Chegam, se cumprimentam
E ocupam a posição;
Brancos, negros  e multas
Cada um tem sua função!
Uns satisfeitos,
Outros acomodados,
Cada um tem são quinhão
Ninguém se muda de lado
Pra evitar confusão
E a vida vai passando...
Mantendo a situação!

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Toda Pessoa Discrimina Alguém


Uma jovem senhora usava o seguinte argumento para dizer-se não discriminadora de negros: “Eu não gosto é de pessoas muito brancas, tenho até nojo.” Outra dizia abertamente: “Tenho plena confiança em negros, mas mulatos não são confiáveis.” E há aquelas que em “brincadeiras” zombam de louras.

ATENÇÃO!

Racista é como fofoqueiro, se ele diz que discrimina qualquer outra pessoa para você: louro, japonês, judeu, indígena, americano, chinês, etc.; fique atento! ELE CERTAMENTE DISCRIMINA VOCÊ TAMBÉM! Só que irá dizer isso à outra pessoa. A discriminação é medíocre!
  
 
Há os que creem que discriminação seja inerente à natureza humana; que toda pessoa tenha algum nível de discriminação.

O erro está em usar tal argumento para justificar o racismo ou qualquer preconceito. Porque existem muitas outras características perversas inerentes à natureza humana com as quais pessoas de bem, jamais gostariam de se identificar como: inveja, hipocrisia, egoísmo, etc.
    
Shakespeare e outros transcendem épocas porque revelam o lado mais tenebroso da natureza humana. Mas, nem por isso achamos que seus personagens sejam modelos a serem seguidos. Pelo contrário, essa “banda podre” da natureza humana deve ser combatida com determinação! Ela é o grande mal dos séculos, causadora de sofrimento e destruição. Se alimentada, o ser humano se torna o mais bruto e cruel dos viventes! Mal, esse que é combatível pelo o bem! Discriminação é inerente ao ser humano por ser “subproduto” do orgulho e do egoísmo.

sexta-feira, 2 de agosto de 2013

Criança e Racismo


Certa professora de educação infantil, aposentada, dava aulas de reforço de leitura e aritmética (rudimentos da matemática) a crianças da Rede Pública. 

Uma época ela estava ajudando duas crianças de oito anos que estudavam na mesma classe. Um garoto negro e uma garota branca. Sua experiência como professora, a fez perceber logo que ambas as crianças eram muito inteligentes, com potencial enorme. A menina lia perfeitamente e só estava lá para aprender tabuada e ler belos livrinhos coloridos. Porém, o menino era semianalfabeto, soletrava só as sílabas simples. E parecia muito frustrado com a escola da qual dizia categoricamente não gostar.

Por três vezes, a garota branca procurou pela professora, em particular, e disse que o garoto era constantemente maltratado por colegas na escola. Chamado de: urubu, macaco, nego fedido, saci, etc. E que, muitas vezes, ele batia nos demais meninos na sala de aula.


(Esse tipo de situação é mais comum do que gostaríamos de pensar. E muitas vezes, a criança não conta em casa porque fica constrangida. Às vezes, acha que a culpa pelos problemas seja sua. Por isso teme ser repreendida pelos pais. Então, guarda toda a frustração que é manifestada de outras maneiras.
Há casos em que a mãe temendo que a criança não se adapte ao “que é comum” a repreende com expressões do tipo: “Deixe de ser boba! Não ligue pra isso. Não vá arrumar confusão.”  Achando o problema “insuperável”, e que seu filho ao não se “conformar” com a situação, venha a sofrer danos maiores, ela tenta levá-lo a aceitar o maltrato cotidiano. Muitos adultos toleram circunstâncias de discriminação por este mesmo motivo.
Quando uma pessoa é humilhada constantemente e não vemos reação. Não significa que  não tenha havido reação. Significa apenas que: não vimos reação!)
Em outro dia, a coleguinha branca comentou novamente sobre o assunto. Só que desta vez, em sua presença. Ele começou a chorar constrangido e pediu  a ela  que parasse de falar sobre a situação.

(Pais e professores precisam estar atentos! Nenhuma criança deve ser submetida à humilhação enquanto aprende. ISSO PODE PREJUDICAR MUITO O APRENDIZADO, o preparo para a vida adulta!)

O garoto, na aula de reforço, se sentindo seguro, respeitado e estimulado, em pouco tempo completou a alfabetização e se tornou ótimo em matemática. Mas, continuou afirmando não gostar da escola!