domingo, 16 de junho de 2013

4. PORQUE O DEBATE SOBRE O RACISMO É LEGÍTIMO E SALUTAR

Passadas  várias gerações sem ter havido uma abertura “cultural” para se falar sobre o racismo no Brasil. Pois, o assunto era tabu até  uns dez anos atrás. (Ainda é tratado com muito melindre ou omitido em algumas esferas sociais). Está havendo um debate tímido ainda, mas que já faz muita diferença.  Os sites de relacionamentos têm importante parte nisso, com uma comunicação independente desabrochando, “sem atravessadores.”
À parte alguns casos, muitos brancos  terão boa vontade em dialogar, compreender e cooperar com combate ao racismo; na medida em que ele venha sendo decifrado. E, no caso brasileiro, a própria compreensão honesta do racismo será o início do combate!

A postura de muitos em relação ao racismo é simplesmente: “Se eu não falar sobre ele, ele não existe! Ou, mesmo com todas as evidências, eu jamais admitirei que ele exista!”
Ou, inda há aqueles que simplesmente o negam, maliciosamente, como uma forma de racismo. Seria um desprezo através da negação. Como aqueles que negam ter havido o holocausto contra os judeus. Algumas pessoas muito cultas, bem informadas, defendem de “unhas e dentes” a tese de que no Brasil não há racismo. Isso é lamentável e vergonhoso! Compreendem-se algumas pessoas simples, com pouco estudo, tendo opiniões do tipo: “Nunca fui discriminada. Nunca presenciei situação de racismo.” Pois, há uma pressão cultural para que elas não o percebam. Ou, caso contrário, não demonstrem a percepção.

                               Uma Situação Exemplo
Certo senhor visitava um parente, após longos anos. Caminhavam juntos pelo bairro no  qual ele morava. Onde  havia  comprado o terreno em loteamento há cerca de 15 anos atrás e construído sua casa. O bairro era popular, porém bom. Com boa infra-estrutura e saneamento. Ao término do passeio o morador perguntou ao visitante se havia percebido algo de particular ali.  Ele pensou... pensou... Como era muito determinado, pediu tempo para dar a resposta. Saiu novamente para fora da casa e percebeu que todas as crianças que estavam brincando naquela rua eram negras. Voltou e perguntou  ao parente se aquilo tinha alguma relevância em relação à pergunta feita.
Ele respondeu: "Sim! Quando, há quinze anos atrás, os terrenos aqui foram loteados.  Se o pretendente a comprador fosse negro, os vendedores diziam que todos os demais terrenos já tinham sido vendidos. Que só havia lotes à venda nesta rua. (A qual,  por características geográficas, é a pior do  bairro.) Todos os moradores daqui são negros e não há negros nas demais ruas."

O visitante perguntou-lhe se alguém havia questionado isso. Ele disse que não tinha conhecimento de ninguém que houvesse feito algo a respeito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário