quinta-feira, 5 de setembro de 2013

Peculiaridades da Cultura Brasileira e Racismo

                                                                           (continuação)
                Como este Aspecto Cultural se Aplica ao Racismo?
É basicamente assim: Se o Reagente é  quem geralmente, será responsabilizado pelos conflitos,   e não o Agente. Quem corre o risco de ser inadequado, não tendo a reação apropriada para a situação, é  ele (o Reagente).  Então, em muitas situações de racismo é esperado que o negro tenha uma reação “apropriada”, e não leve em conta certos fatos ou atitudes. Ele não deve frustrar a expectativa da reação prevista. Estando sujeito a sofrer as penas impostas pela cultura a quem não tem a reação “adequada” à situação. As quais poderão ser desde: taxado de difícil de relacionamento, até a perda de oportunidades profissionais, etc. 
Favorece também ao comportamento de que “ninguém é racista tão defendido por alguns, uma vez que: quem se “expõe”, caso tenha a atitude considerada culturalmente inapropriada, é o Reagente que no caso da discriminação racial será o negro. Muitas vezes, o negro só comenta a discriminação sofrida com íntimos, porque a maioria das situações é totalmente impossível de ser comprovada. Ele teme não ser compreendido ou bem visto ao se manifestar. Porem, quem sofre a discriminação sabe que é real, principalmente porque são situações recorrentes.
 É o caso de: um negro fazendo compras numa loja sofisticada (o que vem se tornando menos incomum devido ao acesso de alguns negros à classe média). O funcionário o atende com frieza e indiferença, não lhe olha no rosto e mantém um tom de voz sério . Mas, enquanto ele ainda está por ali, olhando mais produtos; vê outro cliente branco , e o mesmo funcionário muda completamente a expressão facial, se tornando sorridente e falante ao atendê-lo. (A situação não é geral, mas muito comum). No caso o Agente provocador é o atendente frio e indiferente. O Reagente é o negro. O esperado dele é: que não se exponha a ser chamado de complexado pela cor ou algo do tipo: “Só podia ser nego!” Ou ainda, criador de problemas. E por aí vai...
            Algumas Situações Reais que Exemplificam:
·        Certa pessoa negra contou o seguinte fato: Planejava comprar determinado produto já por algum tempo. Fez pesquisa de preço. E percebeu que o melhor preço estava em uma loja famosa do remo, num Shopping Center da cidade próxima. Ela viajou até lá, ao chegar à loja, bela e sofisticada, com ar condicionado e todo conforto de um Shopping, procurou uma vendedora, a qual estava muito bem vestida com uniforme da empresa. A mulher a atendeu com frieza e indiferença, mantendo sempre a fisionomia muito carrancuda, sem olhar no seu rosto. Respondendo apenas o essencial. A pessoa negra disse que comprou o produto. Mas, saiu da loja profundamente triste e humilhada. Ela disse que sempre que vê o objeto em sua casa, se lembra da situação humilhante que passou ao comprá-lo.
Como reagir? Ela poderia ter feito o quê? Qualquer reação que tivesse, o desgaste, provavelmente, seria dela. Neste caso, ela reagiu conforme o esperado (de acordo com a cultura).
·        Outra pessoa, um senhor, contou que: pretendia comprar um produto eletrônico sofisticado . Ele tinha na mão uma folha de papel com o orçamento e características do produto. O qual pagaria à vista. Foi a uma loja famosa do ramo. Após dizer o que queria, o atendente o examinou com o olhar de cima a baixo lentamente. Sem se preocupar com discrição. Pegou a folha de orçamento de sua mão sem lhe pedir licença. E perguntou quem o havia mandado comprar o produto. Continuou tratando-o com tamanho descaso que ele decidiu  sair de lá e comprar o produto em outra loja. Onde foi atendido com naturalidade e respeito. (Bem atendido). Ele disse que até hoje não entra mais nas lojas daquela rede. E sempre que tem oportunidade conta a amigos o que ocorreu e pede-lhes que não comprem naquela rede de lojas.
Muitas vezes, a empresa é corresponsável pela discriminação praticada por seus funcionários; porque além de demonstrar preferência - ao contratar funcionários de determinado biótipo apenas - passando a ideia de que sejam melhores que outras pessoas; ainda não dá a tais funcionários treinamento adequado de como se relacionar com clientes.
É bom saber que mesmo quando “a cultura tenta amordaçar pessoas com seus preconceitos”, elas ainda encontram saídas para se defender legitimamente!
Mesmo que não pareça, o preconceituoso sempre perde! E, muitas vezes, a pessoa discriminada, cresce com a situação, tornado-se mais forte! Aprende a não agir da mesma forma como foi tratada com outras pessoas, porque sabe o quanto dói!
Quem trata pessoas pela aparência, perde muita riqueza de interação social. Talvez tenha sido a única oportunidade de interagir com aquele indivíduo na sua vida!
·        Um homem negro se hospedou num hotel de luxo. Duas jovens recepcionistas chegaram para entregar-lhe o cartão-chave, saudá-lo e apresentar-lhe as comodidades do hotel. Elas deveriam sorrir gentilmente e cumprimentá-lo. Mas, ao invés disso, começaram a prender os lábios e acabaram por soltar uma gargalhada! Ele disse a elas: “Vocês podem debochar da minha cor. Só que: estão aqui trabalhando e eu estou como hóspede. Vocês não me conhecem, não sabem nada sobre mim. A não ser que: sou negro. Mas, eu sei sobre vocês! Vocês só estão aqui porque têm carinhas bonitinhas, mas são medíocres!”
    (Muitos negros não estão em posição que lhes permita confrontar como este jovem o fez. Foi uma situação excepcional).

Nenhum comentário:

Postar um comentário