quinta-feira, 11 de julho de 2013

I. Negro é Pedante


O que esse nego pensa que é?

               Só podia ser nego!

Há neguinha metida?

Frases comuns no cotidiano! Às vezes, se dirigindo a própria pessoa em foco, na forma de “brincadeira”. Outras vezes, “nos bastidores”, em conversas com terceiros. Se referindo a características da pessoa negra.

Alguns maneirismos inerentes à individualidade. Que em pessoa branca, podem ser vistos, como charmosos ou engraçados; em pessoa negra são vistos como pedantes ou pretensiosos.

Por exemplo: Uma jovem que esteja na escala de cor ente 7 e 10 (morena clara ou branca) que tenha a voz doce e dengosa é: charmosa. Se for negra: É manhosa e não enxerga seu lugar. Isso pode custar-lhe um emprego! (Aquela história antiga de Boa Aparência a qual é extremamente subjetiva. Muitas vezes, é usada para escolha do candidato de acordo com sua posição na *Escala).

É útil refletir que: pessoas- negras ou brancas- podem ter personalidades, temperamentos ou “maneiras” das mais variadas possíveis. E que todas as características humanas, podem ser usadas de modo construtivo para o bem da própria pessoa e de outros. Para a pessoa que  é rejeitada, reprimida ou desprezada naquilo que é em essência- não em atitudes ou ações- mas em aspectos básicos, inerentes a si; tudo será muito difícil. Ela terá que lutar bem mais que outras pessoas por cada conquista.

                              Algumas situações exemplo:

1.   Uma auxiliar de enfermagem comentou que estava aplicando injeção em um paciente negro. O qual demonstrara muito medo. Após terminar o serviço, ela disse-lhe: “Não tem vergonha, um baita negão com medo de  agulha!” (Sentir medo é privilégio de alguns?)

 

2.   Certa jovem, após assistir à palestra cuja apresentadora era  negra. Fez o seguinte comentário público: “Quando vi a palestrante, fiquei horrorizada, senti vontade de ir embora! Mas, depois da apresentação. E, ouvindo opiniões de pessoas que já a conheciam há muito tempo; percebi que eu estava completamente enganada. Ela era muito boa no que fazia!” (Percebe-se que essa pessoa negra teve que provar... por si e através do respaldo de outros que já a conheciam há muito tempo). Esse é um exemplo de situação muito comum no dia-a-dia (mas de difícil comprovação).

3.   Um grupo de “mediadores”, em posição de autoridade (chefia), estava mediando um conflito entre duas pessoas (de posições extremas opostas na *Escala). Segundo eles, ambas eram excelentes no trabalho. Mas estavam tendo problemas de relacionamento. “Vazou” para os subordinados que em reuniões entre os “chefes” mediadores (na ausência das conflitantes) eles  se referiam à pessoa negra com os seguintes termos: “Então, essa neguinha se julga muito inteligente! O que ela pensa que é?” (Quem, o prezado leitor acha que foi considerado “justo” no conflito?)

É quase impossível comprovar uma atitude racista em particular. Porque há mil e uma desculpas para quase todo tipo de atitude. Por isso, continua-se negando viciosamente o racismo nacional. Mas, podem-se fazer inúmeros experimentos que o comprovem, analisando os seus resultados. Ou seja: a grande maioria da população brasileira diz-se não racista. Mas todos os resultados de racismo são vistos perfeitamente na pirâmide social. Então: comprovam-se o racismo, mais por suas consequências, que por atos isolados ou declarações pessoais.

·        *Veja nas primeiras publicações: Escala Cultural de Oportunidades de Ascensão Social X Cor

Nenhum comentário:

Postar um comentário